Notícias


Publicado em:
1
10/2018

Títulos inéditos da coleção “Quando me sinto” chegam ao mercado brasileiro

Livros da editora Ciranda Cultural oferecem abordagem positivista para auxiliar crianças no autoconhecimento



Metatags: Ciranda Cultural, Sarah Padbury, Trace Moroney, Quando Eu me Sinto

A psicologia positiva adota uma visão mais contemplativa dos potenciais, motivações e capacidades humanas, priorizando mais a busca pela felicidade do que o entendimento dos distúrbios mentais. Esse olhar auxilia a criança a lidar com as frustrações, explorando o que ela tem de melhor.

Nesta aclamada coleção da editora Ciranda Cultural, “Quando me Sinto”, a autora e ilustradora Trace Moroney, apresenta um coelhinho que, diante de seus sentimentos, aprende a lidar com eles e a compreendê-los. A coleção traz também textos direcionados aos adultos, que enfatizam a importância da interação entre pai e filho e, principalmente, do autoconhecimento para alcançar a autonomia.

Originalmente lançada em 2005, “Quando me sinto” é composto por dez títulos, sendo os dois primeiros inéditos: Decepcionado, Nervoso, Amado, Bondoso, Feliz, Irritado, Sozinho, Triste, com Inveja e Medo.

Em “Quando me sinto Nervoso”, por exemplo, o personagem relata algumas situações que o deixam com esse sentimento, como participar de uma competição, falar em público ou dormir na casa de um coleguinha. A obra também menciona sensações como respiração acelerada, ofegante, tremores e calor.

Ao entender o seu sentimento, o personagem passa a refletir sobre o quanto é comum, e ao mesmo tempo bom, ter essas sensações; afinal, o nervosismo pode ajudar o cérebro a ficar mais alerta, e com mais energia é possível agir rapidamente em algumas situações. Respirar profundamente ou conversar com alguém são coisas que o coelhinho faz quando é dominado pelo nervosismo.

Ao final da leitura há questões que a criança pode responder e refletir sobre seus sentimentos. Para os pais, o livro dá dicas de como lidar com a situação. “Os sintomas físicos da ansiedade podem ser assustadores, mas eles também são muito comuns e podem nos ajudar a manter a atenção. Incentivar a criança a respirar lenta e profundamente e a tomar um pouco de água pode ajudá-la a se sentir melhor”, explica a psicóloga infantil Sarah Padbury.

“Vale também conversar sobre as preocupações dela e explicar que ficar nervoso é normal. Compartilhar seus medos e dar uma resposta positiva e tranquila fará a criança se sentir valorizada, desenvolvendo sua autoconfiança para lidar com seus medos”.

Com mais de 2 milhões de livros vendidos, a coleção já foi traduzida para 15 idiomas. Cada título tem capa dura e uma deliciosa textura para tocar e sentir.

Fonte: Primeira Página


Últimas notícias

Cinco dicas do Sebrae para quem quer abrir um e-commerce

Plano de negócio é o primeiro passo para os interessados.
Leia Mais

Natal deve movimentar R$ 53,5 bi na economia

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito apontam que mais de 110 milhões de consumidores devem ir às compras e investir, em média, R$ 116 por produto.
Leia Mais

Quatro em cada dez brasileiros pretendem abrir um negócio até 2020

Na frente de países como Japão, Brasil entrou no ranking com Arábia Saudita, México, Índia, África do Sul e China.
Leia Mais