Notícias


Publicado em:
9
10/2018

E-Commerce para Dia das Crianças tem previsão de crescimento

Segundo levantamento da Ebit|Nielsen, faturamento pode registrar cerca de R$ 1,9 bilhão na data. Mercado editorial é um dos favorecidos, com expectativa de crescimento de cerca de 5%.



Metatags: Dia das Crianças, Brinquedos, Livros, Ebit|Nielsen, Comércio Eletrônico, E-commerce, Varejo, Vendas, Presente

O e-commerce deve faturar R$ 1,9 bilhão no Dia das Crianças em 2018, alta de 9% ante o mesmo período de 2017, quando as vendas foram de R$1,73 bilhão, conforme aponta o monitoramento da Ebit|Nielsen, referência em informações sobre o comércio eletrônico brasileiro.

O número de pedidos deverá expandir 8%, de 4,1 milhões para 4,4 milhões, enquanto o tíquete médio deve registrar ligeira alta de 1%, passando de R$ 428 para R$ 432. Para este monitoramento, a Ebit|Nielsen considerou a expectativa de compras realizadas entre os dias 28 de setembro e 11 de outubro.

De acordo com o levantamento, bonecas, bonecos, jogos, blocos de montar, bicicletas, chuteiras, fones de ouvido e livros estão entre os presentes mais buscados para presentear na data.

Outro mercado que registra forte crescimento durante o Dia das Crianças é o editorial. Dados da Nielsen Bookscan apontam uma expectativa de cerca de 5% de crescimento para 2018. Já no ano passado, na semana que antecedeu a data, a venda de livros dos gêneros infantil, juvenil e educacional apresentou crescimento de 29% em volume e 33% em faturamento em relação à semana anterior.

Fonte: Assessoria Nielsen


Últimas notícias

Cinco dicas do Sebrae para quem quer abrir um e-commerce

Plano de negócio é o primeiro passo para os interessados.
Leia Mais

Natal deve movimentar R$ 53,5 bi na economia

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito apontam que mais de 110 milhões de consumidores devem ir às compras e investir, em média, R$ 116 por produto.
Leia Mais

Quatro em cada dez brasileiros pretendem abrir um negócio até 2020

Na frente de países como Japão, Brasil entrou no ranking com Arábia Saudita, México, Índia, África do Sul e China.
Leia Mais