Notícias


Publicado em:
9
11/2018

Dicas para obter sucesso no comércio online na Black Friday

É importante entender que o consumidor busca uma experiência personalizada, que abrange conteúdo e interações nos canais de comunicação do varejo.



Metatags: Black Friday, Comércio Eletrônico, Comércio Digital, Smartphone, Salesforce, Mobile, m-commerce, e-commerce

A Black Friday é uma grande oportunidade para os varejistas, principalmente no e-commerce. Em 2017 a data rendeu R$ 2,1 bilhões para o varejo eletrônico, uma alta de 10,3% em comparação aos R$ 1,9 bilhão registrados no mesmo período de 2016.

O período de compras tem se fortalecido cada vez mais no Brasil, despertando o interesse de diversos setores como bancos, escolas de cursos, restaurantes, entre outros, que decidiram incorporar a data a seus calendários e fazer ofertas para conseguir pegar uma fatia do lucro.

O varejo online é o mais procurado pelos consumidores durante a data. Portanto, as lojas devem estar preparadas para receber uma enxurrada de visitas, especialmente realizadas via smartphone. Para estes varejistas, o desafio é ser relevante em meio às tantas ofertas e atingir os consumidores ávidos por promoções de forma certeira.

Para isso, é importante entender que o consumidor busca uma experiência personalizada e isso abrange o conteúdo e interações em seus canais de comunicação, como e-mail e redes sociais – o Instagram, por exemplo, deve gerar 51% mais tráfego para o e-commerce do que no mesmo período de 2017.

Não existe uma fórmula secreta para obter sucesso durante a Black Friday, mas é importante traçar uma estratégia prévia e executá-la bem para conseguir uma boa margem de conversão de vendas.

A Salesforce, empresa líder mundial em CRM, dá algumas dicas:

Página sempre online e sem travar: Alguns varejistas têm sites desktops e aplicativos muito bons, mas não possuem sites voltados para o mobile. De acordo com o levantamento da Salesforce, as plataformas móveis serão as mais utilizadas para as compras online (68%), sendo o smartphone o meio campeão (46%). Por isso, é preciso ter um e-commerce bem estruturado para qualquer gadget, com visualização fácil e rápida.

Segundo o guia Holiday Readiness, da Salesforce, quase metade dos consumidores esperam que uma página da web seja carregada em dois segundos ou menos, e 40% abandonarão um site se levar mais de três segundos para carregar. Mesmo um atraso de um segundo no tempo de resposta da página pode resultar em uma redução de 7% na conversão.

Conectados nos dispositivos móveis mesmo nas lojas físicas: Cliente de loja física é diferente de cliente online, certo? Errado! O relatório Shopping-First Retailing indica que 71% dos consumidores usam seus dispositivos móveis durante as compras em lojas físicas, número bem acima dos 62% registrados em 2017.

Os dispositivos são usados para comparar preços (36%), pesquisar produtos (29%), tirar fotos do produto (28%) e ler reviews do produto (25%). Esses dados mostram um comportamento curioso dos consumidores e mais um desafio para o e-commerce, que precisa captar esse cliente dentro de uma loja física.

Estude o que deu certo no ano anterior e aprofunde os conhecimentos nos seus clientes: Aprofunde-se no estudo dos dados das campanhas bem-sucedidas do passado e obtenha insights de compras durante as datas especiais, assim você pode moldar seu planejamento de conteúdo para a atual temporada.

Avalie o que deu certo e o que deu errado na sua estratégia digital, conheça seus clientes e observe o comportamento de sua base durante as principais datas de compra. Isso vai ajudá-lo a se antecipar aos desejos deles, o que será muito importante para o êxito das vendas.

Otimize o armazenamento em cache de maneira estratégica: O armazenamento em cache é um componente crítico na experiência do cliente. Para a maioria das empresas, isso pode ser usado para otimizar o desempenho da “vitrine” do seu e-commerce e para oferecer rapidamente aos clientes o conteúdo esperado por eles.

As implementações de cache variam de acordo com a plataforma de comércio eletrônico. Pode ser um pouco complicado definir as taxas de cache, então o ideal é que os varejistas se esforcem para armazenar em cache 90% de seu conteúdo editorial, como a página inicial, e de 50% a 70% do conteúdo específico do produto, como pesquisa, listagens e detalhes do produto. Uma boa ferramenta de análise de performance ajuda a entender como seu cache está performando e a definir melhor como usá-lo.

Certeiro no alvo: Ainda segundo o estudo Holiday Readiness, os compradores que clicam nas recomendações do varejista gastam cinco vezes mais por visita. A pesquisa Shopping-First Retailing apontou que 6% das visitas ao comércio eletrônico, que incluem engajamento com recomendações baseadas em Inteligência Artificial, geram 37% da receita.

Em um cenário no qual 64% dos compradores dizem que os varejistas não sabem o que eles procuram, a personalização orientada por IA é uma ferramenta essencial. Os clientes gostam quando você entende suas preferências com base no comportamento deles em relação à marca, principalmente os das gerações Y e Z.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Salesforce


Últimas notícias

Cinco dicas do Sebrae para quem quer abrir um e-commerce

Plano de negócio é o primeiro passo para os interessados.
Leia Mais

Natal deve movimentar R$ 53,5 bi na economia

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito apontam que mais de 110 milhões de consumidores devem ir às compras e investir, em média, R$ 116 por produto.
Leia Mais

Quatro em cada dez brasileiros pretendem abrir um negócio até 2020

Na frente de países como Japão, Brasil entrou no ranking com Arábia Saudita, México, Índia, África do Sul e China.
Leia Mais