Mercado

Artigo: O que as crianças devem saber sobre perdoar?

Especialista do colégio Arquidiocesano fala sobre a dimensão do perdão na vida escolar

 

Por Hortência Brito*

“Se verificarmos o significado da palavra perdão em qualquer dicionário, veremos que esse termo tem relação com o ato humano de se livrar de uma culpa, ofensa ou mesmo dívida.

O fato é que o perdão tem a ver com o processo mental que busca sanar qualquer possibilidade de rancor ou sentimento negativo sobre alguma pessoa ou a si mesmo.

Por outro lado, a palavra perdão pode ser usada como um gesto de carinho ou gentileza, podendo ser empregada em situações diversas, para além de uma situação de conflito.

Já na esfera religiosa o conceito de perdão está relacionado com o processo de revisão de vida, eliminar as impurezas que podem estar impedindo o crescimento espiritual. Nesse sentido busca-se pela eliminação de sentimentos nocivos às pessoas, como a raiva, a mágoa ou mesmo qualquer desejo de vingança.

Nessa perspectiva, trabalhar o perdão na vida das crianças deve ser um empenho que começa desde o ventre materno. Não é errado um adulto pedir perdão para uma criança, ao contrário, essa iniciativa fará com que a criança entenda que ela pode e deve imitar essa atitude sempre que sentir que magoou uma pessoa.

O auto perdão também é uma atitude que deve ser exercitada pelos adultos e crianças, isso envolve muito exercício e humildade. Não é fácil abrir mão das verdades nas quais acreditamos, no entanto, essas verdades não podem ser impostas nas nossas relações, isso pode nos tornar pessoas chatas e intolerantes.

Enquanto educador marista, na dimensão que envolve a pastoral, trabalhamos o perdão em todas as ações que promovemos, tanto nas atividades com alunos como também com professores e toda a comunidade de profissionais.

E isso acontece porque temos como parâmetro uma gestão atenta ao carisma do Instituto Marista que tem como identidade os valores do Evangelho. Nessa ótica, o cristianismo tem como essência um caminho de revisão de vida, para daí culminar num processo de conversão individuais e coletivas.

Temos como missão levar as crianças a viverem no seu cotidiano atitudes que ecoem naturalmente no seu modo de ser e perdoar, consistindo no sanar as ofensas recebidas a partir do diálogo, e na observação de atitudes e ações para não ofender nenhum de seus semelhantes.

O tema do perdão é sempre pastoral-pedagógico. Quando Jesus Cristo nos convida a perdoar quantas vezes forem necessárias, Ele quer dizer que, fazendo isso, estamos trabalhando para o nosso próprio equilíbrio espiritual, bem-estar, e sobretudo, pelo desenvolvimento de uma sociedade que se autotransforma pelo bem que cada ser humano é capaz de promover.

Sem dúvidas, a educação confessional na escola católica jamais poderá se omitir do seu papel enquanto promotora e mesmo germinadora do bem que essencialmente começa com o olhar atento à integralidade do ser humano, e o perdão, sem dúvidas, é o caminho.”

*Hortência Brito é assistente de Pastoral do Colégio Marista Arquidiocesano

 

 

Leia também: Uatt? e Lilica Ripilica apresentam solução de varejo

Leia também: Escolas podem mobilizar a leitura entre pais e alunos

 

Fonte: Primeira Página

Redes Sociais