Mercado

Reajuste de escolas particulares deve ficar entre 3% e 6%

 

Segundo o Procon, não existe um valor máximo para o aumento

 

Seguindo a tendência dos últimos anos, o reajuste dos boletos de escolas particulares para 2020 segue acima da inflação. Segundo o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp), a maioria dos reajustes foi definido entre 3% e 6%.

O acumulado dos últimos 12 meses, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), chegou a 2,60% e o mercado financeiro projeta terminar o ano com índice de 3,31%.

De acordo com o sindicato, os colégios afirmam que os aumentos têm ficado acima da taxa inflacionária, principalmente, pela necessidade de investimento em tecnologia na área educacional.

Segundo o Procon, não existe um valor máximo para o reajuste, mas ele deve ser proporcional à variação de custos da escola – dissídio dos professores, material de escritório, manutenção, investimentos tecnológicos e mudanças pedagógicas. O colégio é obrigado a fornecer aos pais a planilha de custos para justificar o reajuste.

 

Leia também: 5 dicas para sua papelaria vender mais na Black Friday

 

Leia também: Mesmo com o paperless, mega papelarias continuam em franco crescimento

 

Fonte: Primeira Página

Redes Sociais